Rádio Nova Esperança FM - Uma Nova Esperança Está No Ar!

Associação Nova Esperança
Jovens de Malhada de Pedras contam a experiência que viveram na JMJ
  • Jovens de Malhada de Pedras contam a experiência que viveram na JMJ

  • Postado em 16, out 2013 por: Nova Esperança FM 87.9

Depois de mais de uma semana no Rio de Janeiro para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), os 11 jovens de Malhada de Pedras retornaram a cidade nesta segunda-feira (29), cheios de alegria, esperança e espírito missionário. O momento foi de celebração para a comunidade, que recebeu os peregrinos durante a segunda noite da Novena do Senhor Bom Jesus, padroeiro da paróquia. A jornada, que reuniu num dos atos principais – a Missa de envio, presidida pelo Papa Francisco, no domingo (28), em Copacabana – 3,7 milhões de católicos de todo o mundo, segundo os organizadores, foi um encontro de festa para a Igreja, que mostrou a fé e a força jovem que tem.

Orgulhosa de ser católica, Joyce Guimarães, de 17 anos, considera indescritível a experiência que viveu nestes dias na capital carioca. “Só mesmo estando lá para saber o que realmente é e o que vivemos”, conta. Da JMJ, a jovem traz lembranças não apenas em imagens, mas também no coração. “Eu trago uma mensagem de fé, de esperança e as palavras do Papa que nos diz ‘sejam missionários onde estiverem, não importa o lugar’”, conclui.

Para Ronielson Souza, 18 anos, os dias no Rio de Janeiro foram marcantes, principalmente, na chegada do Papa Francisco (22) e na Missa de envio (28). “Tive a maravilhosa sensação de estar no céu sem sair da terra”, brinca ele. O jovem, que apresenta um programa religioso na Rádio Comunitária Nova Esperança e ajuda nos trabalhos na Comunidade de Lagoa da Vereda, onde mora, diz que a jornada foi um momento de transformação e aprendizado para a vida. “Trago a experiência de solidariedade do Cirineu, em meio à esperança de um novo amanhecer, de uma Igreja viva e jovem, na qual temos a confiança não só do nosso Pastor, mas de Deus, que nos motiva a nadar contra a corrente e ir pelo mundo fazer discípulos e missionários entre todas as nações”, completa.

Néia Malta, 34, que atua no Ministério de Música da paróquia, também não vai esquecer os dias na cidade maravilhosa. Para ela, a Via Sacra, na sexta-feira (26), foi o momento mais emocionante. “Foi lindo ver toda Copacabana em silêncio para adorar ao Senhor”, lembra.

A oportunidade de estar perto do Papa durante a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, emocionou muita gente. “Quando vi o Papa ali bem perto de mim senti Jesus através dele, um homem tão maravilhoso, carismático e humilde”, diz Guimarães, que viu Francisco a menos de dois metros passando de papamóvel pela Av. Atlântica, em Copacabana. ”Sentir a presença do Pastor e Sucessor de Pedro foi como participar do grupo dos discípulos, fazer parte da comunidade apostólica”, conta Souza, que viu o Papa a uns 20 metros de distância.

Na JMJ, além dos atos centrais, os peregrinos, cada um no seu idioma, participaram de catequeses com bispos de todas as partes do mundo, bem como de exposições, feira vocacional, shows com artistas católicos, entre outras atividades.

Agora, de volta a Malhada de Pedras, os jovens tem pela frente a missão de evangelizar outras pessoas e não deixar acabar o vigor que encontraram nesses dias. Foi esse o pedido do Santo Padre no último encontro com os peregrinos, no domingo (28). “Ide, sem medo, para servir. Sejam missionários”, disse o Pontífice. A mensagem de Francisco, Malta não esqueceu. “Para mim a jornada começa agora. Temos que ir ao encontro dos irmãos, levando Jesus com os dons que Ele nos deu”, encerra.

 

*Por Anderson Ferreira

362 Total de visitas 1 Visitas hoje

Etiqueta(s): ,

“O rádio é a escola dos que não têm escola, é o jornal de quem não sabe ler, é o mestre de quem não pode ir à escola, é o divertimento gratuito do pobre, é o animador de novas esperanças, o consolador dos enfermos e o guia dos sãos – desde que o realizem com espírito altruísta e elevado, pela cultura dos que vivem em nossa terra, pelo progresso do Brasil.” (Edgard Roquette Pinto)



Voltar