Rádio Nova Esperança FM - Uma Nova Esperança Está No Ar!

Associação Nova Esperança
Projeto de incentivo à leitura é destaque em escola do sertão da Bahia
  • Projeto de incentivo à leitura é destaque em escola do sertão da Bahia

  • Postado em 10, set 2015 por: Anderson Ferreira

Lidar com as dificuldades de aprendizagem no início da fase escolar de uma criança é tarefa recorrente na vida de um professor. E, se somadas ao desinteresse pela leitura, os problemas podem ser ainda maiores. Só que esta realidade tem mudado na Escola Municipal Raios de Sol, no município de Malhada de Pedras, na região sudoeste da Bahia, a mais de 680 km da capital Salvador. É que o projeto “O fascinante mundo da leitura”, criado em março deste ano, tem desenvolvido, nos 360 alunos de 16 turmas do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, o interesse pelo mundo encantado dos livros.

“O objetivo principal é preparar cidadãos com autonomia leitora e, sobretudo, despertar em nossas crianças o gosto pela leitura. Queremos que elas, por conta própria, possam frequentar a biblioteca, pegar livros na escola e, a partir do fantástico mundo da leitura, viajar na imaginação e no conhecimento”, diz a coordenadora do projeto, Elisângela Santos.

 A leitura tem mudado o desempenho e o comportamento dos alunos na escola. Foto: Anderson Ferreira

A leitura tem mudado o desempenho e o comportamento dos alunos na escola. Foto: Anderson Ferreira

O projeto de incentivo à leitura surgiu da necessidade dos 24 professores da escola em realizar algo que envolvesse toda a comunidade escolar, como forma de melhorar o desempenho e a participação dos alunos em sala. Dividido em seis etapas, o projeto contempla os diferentes gêneros textuais, e cada aluno ler, pelo menos, um livro por semana. “Os alunos têm uma pasta de leitura, na qual eles levam uma obra literária, que é escolhida por eles ou sugerida pelo professor, para lerem em casa. E, juntamente com o livro, vai uma ficha, onde eles registram aspectos relevantes da leitura”, explica Santos.

Os livros utilizados pelas crianças são da própria escola e da biblioteca pública do município. “Há também, em cada turma, um caderno de produção coletiva. Duas vezes por semana, esse caderno vai para a casa de dois alunos, numa motivadora maleta. Eles leem o livro e registram, através de uma produção escrita, a compreensão da obra. No dia do retorno, os alunos são convidados para um bate-papo, numa roda literária, sobre a leitura desenvolvida”, observa a coordenadora.

Ao final de cada etapa, o que está nos livros vira peça de teatro, e os próprios alunos são os protagonistas. De tão bonita e organizada, a culminância se transforma em festa e os pais também são convidados a prestigiar o trabalho dos pequenos leitores.

Para a diretora da escola, Maria Aparecida Vieira, a participação dos professores é positiva e fundamental para a realização do projeto. “Eles têm se emprenhado bastante e, por isso, o projeto tem sido muito proveitoso e ajudado no desempenho dos alunos em sala”, diz a diretora, que logo emenda. “Nossos alunos também estão bem motivados e, depois desse projeto, querem participar de tudo na escola”.

O projeto de leitura da Escola Raios de Sol tem o apoio da Secretaria de Educação do município. “Historicamente, nós temos turmas fracas com relação à leitura e à escrita e, portanto, esse projeto é essencial para o desenvolvimento dessa escola e da nossa educação como um todo. Por isso, a Secretaria tem incentivado e contribuído com esse projeto”, afirma a secretária de educação, Edna Pereira.

A experiência de professores e alunos

 Na pasta individual de leitura, cada aluno anota aspectos importantes do livro. Foto: Anderson Ferreira

Na pasta individual de leitura, cada aluno anota aspectos importantes do livro. Foto: Anderson Ferreira

De acordo com os professores, apesar do pouco tempo, já é possível perceber os resultados do projeto, seja em sala de aula ou até mesmo em casa, conforme contam os pais. “Eu tenho um aluno repetente que, no início do ano, só sabia palavras simples e não dominava sílabas complexas e nem gostava de escrever. Hoje, depois desse projeto, esse aluno conseguiu um avanço muito grande e já está lendo, mesmo que ainda com algumas dificuldades”, relata a professora do 3º ano, Patrícia Oliveira, que também diz ter percebido o crescimento de toda a turma, principalmente em relação à produção e à interpretação de textos.

Para a professora Sirlane Bonfim, do 5º ano, a leitura tem quebrado barreiras, como a da timidez, por exemplo. “Tenho percebido uma maior socialização dos alunos, porque eles tinham um problema de cumprimentar o outro, de falar com o outro. E a leitura fez com que eles ficassem tão motivados que, na sala de aula, tiveram um desempenho muito grande, tanto na oralidade, quanto na participação e na convivência com os colegas”, conta.

Esperto e questionador, Ayran Fernandes, de 7 anos, já sabe a importância da leitura na vida dele. “Ler pode ser muito significativo no futuro”, diz. Aluno do 2º ano, Ayran confessa que gosta do projeto da escola e a leitura é um hábito que faz por vontade e não por obrigação. “Eu gosto porque a gente pode escrever o que entendeu da história e desenhar alguma parte das imagens do livro. Desenhando e escrevendo, a gente pode até relembrar o que leu e contar na sala, da forma como nós criamos”, explica.

O projeto de leitura da Raios de Sol tem sido importante também na vida escolar de Arthur Martins, aluno do 3º ano. Aos 9 anos, ele reconhece a evolução que teve, após as atividades de leitura. “Nos primeiros trabalhos eu não fui bem, mas nos outros eu melhorei bastante”, conta, mostrando, com orgulho, a pasta de leitura dele. Empolgado com o desempenho no projeto, Arthur faz questão de ler um dos resumos que fez e mostra o recado, com elogios, deixado pela professora.

Para Helisnay de Souza, 10, do 5º ano, a leitura é um passatempo bem divertido. Amante de livros grandes, o que ela mais gosta mesmo é de escrever histórias. “Primeiro eu leio e depois eu crio outras histórias relacionadas ao livro”, conta a estudante, que está lendo “Emil e os três gêmeos”, do escritor alemão Erich Kastner. Em casa, Helisnay recebe ajuda da mãe. “Ela lê comigo, faz resumos e comenta se está bom”, finaliza.

O exemplo dos pais também conta muito quando o assunto é literatura. E o projeto pretende mostrar isso. “Os pais têm cobrado bastante a questão dos livros para casa, o que é muito importante. Além disso, eles também têm participado das nossas culminâncias”, destaca a professora Sirlane.

A leitura em números no Brasil

As atividades de leitura da Escola Municipal Raios de Sol tentam ajudar os alunos a criar o hábito de ler por prazer e fazer dessa prática uma tarefa para a vida toda. É que a fase escolar é o período da vida em que o brasileiro mais lê, segundo estudo do Instituto Pró-Livro. São, em média, dez livros por ano, contra os quatro da fase adulta.

Na contramão do atual perfil de leitores no Brasil, professores da escola do sertão baiano enxergam nos seus alunos uma nova postura em relação à leitura e, para o futuro, veem leitores mais assíduos. “Nós temos que formar leitores desde a educação infantil, porque só assim nossos alunos serão, futuramente, cidadãos leitores”, ressalta a professora Patrícia.

Dos quatro livros que o brasileiro lê por ano, dois não são finalizados, revela a pesquisa do Instituto Pró-Livro, Retratos da leitura no Brasil, que teve a terceira edição divulgada em 2012. O levantamento é o mais abrangente estudo sobre o comportamento do brasileiro em relação à leitura e mostrou também que apenas 88,2 milhões de pessoas são consideradas leitoras. Um número que, atualmente, representa menos da metade da população brasileira.

Da esquerda à direita, Ayran Fernades, 7; Helisnay de Souza, 10, e Arthur Martins, 9, estão empolgados com o projeto de leitura. Foto: Anderson Ferreira

Da esquerda à direita, Ayran Fernades, 7; Helisnay de Souza, 10, e Arthur Martins, 9, estão empolgados com o projeto de leitura. Foto: Anderson Ferreira

A escola destaque

A escola que hoje se destaca pelo projeto de leitura, em 2013 obteve uma das melhores notas da Bahia na avaliação que o governo federal realiza, a cada dois anos, para calcular o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). A avaliação é feita por meio da Prova Brasil, que contempla conhecimentos de português e matemática e é aplicada no último ano das séries iniciais e finais do ensino fundamental. A Raios de Sol, na época Escola Governador Paulo Souto, teve nota 5,8 e ultrapassou a meta de 3,5, projetada pelo governo. Essa foi a maior nota da escola, desde o início do exame em 2005. O município de Malhada de Pedras, de quase nove mil habitantes, foi o mais bem avaliado no estado, nas séries iniciais, com 5,9.

Este ano, os alunos do 5º ano da escola serão avaliados pela Prova Brasil, e a expectativa já é grande, principalmente por causa dos bons resultados do projeto de leitura. “Eu penso que esse projeto irá contribuir para manter ou, quem sabe, alcançar um desempenho ainda melhor para a escola e para o nosso município”, acredita a secretária de educação, Edna Pereira.

O projeto foi criado em março deste ano e já tem mostrado resultados positivos. Foto: Reprodução/Arquivo

O projeto foi criado em março deste ano e já tem mostrado resultados positivos. Foto: Reprodução/Arquivo

Veja algumas fotos das culminâncias do projeto:

 

10210 Total de visitas 4 Visitas hoje

Etiqueta(s): , , ,

Natural de Malhada de Pedras, é jornalista pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e pós-graduado em Comunicação e Marketing em Redes Sociais, pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC).



Voltar